Fui abençoada com a licença maternidade de 1 ano em casa. Foi maravilhoso poder cuidar e acompanhar o meu bebê neste tempo. Quando a licença maternidade acabou, foi muito doloroso colocá-lo em uma creche. Meus pais moram longe de mim e não tinha ajuda de ninguém a não ser do marido.
Tive problemas com a primeira creche, Marcus emagreceu, sempre chorava quando íamos deixá-lo na creche, aquilo estava uma tortura pra mim. A gota d’água foi um dia que eu enviei as frutinhas na mochila, e elas voltaram do mesmo jeito que eu enviei. Me senti péssima, fiquei arrasada, pensei meu filho está sendo maltratado.
Consegui uma nova creche, o dobro do preço mas com uma infra-estrutura linda, um ambiente calmo, limpo, e que finalmente tinha me deixado tranquila. Marcus chorou no primeiro dia, no segundo dia já não chorou mais. Ele voltava sempre limpinho, cheirosinho e estava ganhando peso novamente.
Não tem como dizer que não sinto uma eterna culpa por não estar com ele em tempo integral. Mas a renda do meu emprego é mais que necessária em nosso lar.
Marcus, já saiu do berçário e está na escolinha. Ele ama ir pra lá, e muitas vezes nem me dá tchau quando vou deixá-lo na escolinha rs. Confesso que eu sofro rs.
Mas pq eu contei isso tudo?
Semana passada, Marcus passou mal de madrugada, vomitou bastante e acordou vomitando. Eu já tinha faltado duas sextas seguidas com ele passando mal, e pensei por mais que meu chefe seja legal, ele vai achar estranho faltar 3 sextas seguidas. Resumindo, meu marido ficou em casa com ele, e eu fui trabalhar. Arrasada, fui chorando pelo caminho, desejando cuidar do meu filho. Por mais que eu estivesse feliz pelo pai ter ficado cuidando, sempre acho que ninguém vai cuidar tão bem dele quanto eu. O dia se arrastou, foi cansativo emocionalmente pra mim. Mas graças a Deus durante o dia ele melhorou. E tudo ficou mais calmo em meu coração ao chegar em casa e ganhar aquele abraço pelo qual esperei o dia todo.
Todos os dias ao ir trabalhar, sofro em deixar o meu filho. No momento não tenho alternativa a não ser trabalhar. Mas se você tem a oportunidade de fazer uma escolha, faça a que deixar o seu coração feliz.
Tem mãe que ama trabalhar e se ficasse em casa seria uma mãe frustrada, tem mães que se descobrem na maternidade e não se imaginam perdendo os melhores anos da vida de seus filhos que por sinal passam voando. Seja lá qual for a sua escolha, o importante é que a criança não sofra abandono, priorize o tempo em que estiver com seus filhos para que sejam maravilhosos, seja ele o dia inteiro, ou somente uma parte do dia.
Nossos filhos, precisam de mães e pais felizes para serem felizes.
Priorize o tempo com os filhos

 

Foto: Carol Liguori.

Deixe seu comentário